Por: Patricia Moraes | 12/10/2017

Como a coluna “Plenário” adiantou com exclusividade, foi anunciado nesta quarta-feira (11) o reajuste da tarifa do transporte coletivo em Jaraguá do Sul. A Prefeitura não atendeu na íntegra à reivindicação da empresa Viação Canarinho e o preço solicitado, de R$ 5,50. E ficou decidido que a tarifa passará a ser de R$ 4,40, a antecipada, e R$ 4,75, a embarcada. Hoje, os valores são de R$ 4 e R$ 4,35. O aumento de 10% deve passar a valer na segunda-feira (16). O decreto já foi publicado no “Diário Oficial”.

Embora consciente de que o reajuste cause desgaste, a administração municipal decidiu buscar um equilíbrio, na tentativa de evitar uma crise maior no setor, enquanto não edita uma nova licitação e também enquanto não há decisão judicial em processo movido pela empresa que cobra ressarcimento de possíveis prejuízos.  Um laudo solicitado judicialmente apontou que a Canarinho teve um prejuízo de R$ 83 milhões, valor já atualizado, entre os anos de 2002 e 2016. O processo, movido pela empresa contra o município, ainda está tramitando.

LEIA MAIS:

Plenário | Prefeitura não aceita pedido de R$ 5,50 e passagem será de R$ 4,40 e R$ 4,70 em Jaraguá

– Laudo judicial aponta que empresa Canarinho teve prejuízo de R$ 87 milhões

Nesse momento, o reajuste da passagem parecia inevitável. Agora, ou daqui um mês, teria que ser autorizado. A questão do transporte coletivo, porém, é muito mais abrangente. O município precisa encontrar maneiras de tornar o meio de locomoção mais acessível e mais atrativo. Uma cidade moderna e uma das líderes do país em qualidade de vida não pode continuar com esse sistema. E essas melhorias necessariamente devem estar previstas na nova concorrência. O contrato atual é de 1986, depois dele, Jaraguá do Sul se transformou.

Interessa menos se a Canarinho continuará tendo a concessão ou se outra empresa vencerá a concorrência e mais o que estará previsto no edital. Linhas inteligentes, em intervalos menores de tempo e preço justo, são algumas das necessidades. Outra dificuldade, as gratuidades, que custam segundo dados da Prefeitura R$ 500 mil ao mês, não podem ser bancadas pelo usuário nem pela empresa.

Para solucionar esse impasse, o governo já oficializou um grupo de trabalho que terá até o dia 9 de dezembro que apontar alternativas. O subsídio poderá vir por meio de redução do ISSQN, da utilização de um percentual do IPVA ou mesmo das receitas obtidas com estacionamento rotativo.

VEJA TAMBÉM:

– Cinco ônibus quebrados deixaram passageiros sem transporte na segunda em Jaraguá

Preparativos para Schützen

Presidente da Comissão Central Organizadora (CCO), o empresário Alcides Pavanello diz que os preparativos para 29ª edição da Schützenfest estão a mil por hora. Um dos objetivos desse ano é envolver mais a comunidade. Para isso, a divulgação não se restringirá à área central, as famosas bicicletas e as majestades serão levadas para diversos bairros do município. Além disso, o concurso de melhor vitrine irá premiar três lojistas. O primeiro colocado terá à disposição um camarote em uma das noites, 30 entradas e um barril de chope. O orçamento projetado é de R$ 1,1 milhão, incluindo a verba destinada às sociedades. Quase a totalidade dos recursos será originada do lucro da própria festa. Na terça-feira (10), a CCO recebeu a imprensa e convidados na Sociedade Alvorada, para o tradicional tiro da imprensa, onde funcionários do Grupo OCP News saíram campeões.

Pró-Empresa

Chefe de gabinete da Prefeitura de Jaraguá do Sul, Emanuela Wolff, diz que o governo está otimista com os primeiros resultados do trabalho do grupo Pró-Empresa. A prioridade em tempos de crise, ressalta, deve ser a desburocratização e o incentivo à geração de empregos e novos negócios. “Estamos vendo as principais falhas nos processos, reduzindo o tempo de espera. Os servidores tem sido essenciais nesse processo”, avalia.

Fundam 2

O governo do Estado ainda trabalha nos ajustes finais para o lançamento do Fundam 2, com recursos na ordem de R$ 700 milhões, distribuídos para as 295 Prefeituras catarinenses. O dinheiro do Fundam deve ser utilizado exclusivamente para investimentos, não podendo ser aplicado em custeio ou pagamento de dívida. Os prefeitos da região estão ansiosos para as assinaturas de contratos.

Novas batalhas

Depois do pacote de reequilíbrio envolvendo o corte de alguns benefícios aos servidores e do reajuste da passagem de ônibus, o governo de Jaraguá prepara um novo teste de fidelidade da base aliada. A intenção é que sejam votados nas próximas semanas o projeto que atualiza a planta de valores dos imóveis, tendo reflexo no IPTU, e também o que inclui os terrenos baldios na cobrança de iluminação pública.