Por: Adrieli Evarini | 13/02/2018

Em 2018, o primeiro bebê nascido em Jaraguá do Sul foi o garotinho Eric, que escolheu o horário de almoço para vir ao mundo, por volta das 12h. Assim como ele, centenas de bebês nascem em solo jaraguaense. Não é a toa que a população tem crescido nos últimos anos. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2010 eram 143.123 habitantes, já a estimativa de 2017 eram de 170.835.

Quer receber as notícias do OCP Online pelo whatsApp? Basta clicar aqui

Boa parte dessa evolução se deve ao crescimento no número de nascimentos na cidade. De acordo com o IBGE, em 2016, 2.493 crianças tiveram seus registros civis realizados em Jaraguá do Sul. Ou seja, mais de dois mil novos jaraguaenses no mundo. Se comparado ao número de 2006, o crescimento chega a 28%. Em uma década, o número saltou de 1.949 em 2006 para os 2.943. Em dez anos, a cidade registrou 25.594 novos jaraguaenses, sendo, em 2016, o nono município catarinense em números de registros civis, perdendo apenas para Joinville, Florianópolis, Blumenau, São José, Itajaí, Chapecó, Palhoça e Lages.

O número de nascimentos e registros não oscilou muito nos últimos anos e, embora os dados de 2017 ainda não tenham sido disponibilizados pelo IBGE, Jaraguá do Sul viu nascer o pequeno Miguel Maciel Mileski, que escolheu um horário bem peculiar para vir ao mundo. A mamãe, a auxiliar de enfermagem Adriana Aparecida dos Santos Maciel, deu a luz às 00h59 do dia 16 de agosto, no Hospital e Maternidade Jaraguá. Primeiro menino de uma família que já conta com duas garotas, Miguel nasceu com 3,780 quilos. Apesar de não ter sido o parto normal que imaginava, Adriana celebra a força e saúde do seu primeiro filho. “Eu entrei em trabalho de parto de madrugada anterior ainda, mãe experiente, eu já sabia como funcionava e fui para a maternidade às 17h, mas não tive dilatação suficiente e só depois das 23h30 resolvemos pela cesárea. Ele nasceu exatamente 00h59”, conta.

Apesar de já ser experiente na maternidade, com duas filhas de 11 e 9 anos – a caçula era a primeira jaraguaense-catarinense da família –, Adriana afirma que o comportamento e personalidade do garotinho é muito diferente dos das meninas. “Ele é totalmente diferente, é mais guloso, come mais. Os mais velhos dizem que os garotos são mais gulosos e, agora, comprovo, realmente são”, brinca. Além disso, a mãe garante que a energia do filho não acaba. “Ele é mais agitado, mais brincalhão, mais simpático”, diz.

Depois do período de licença-maternidade e férias, a mãe retornou ao trabalho na semana passada e a adaptação, segundo ela, está sendo suave e sem sobressaltos. “No primeiro dia ele chorou, mas está acostumado a ficar com o pai e as irmãs”, conta. Moradora do bairro São Luís, Adriana garante que prefere criar os filhos em Jaraguá do Sul a voltar para a terra natal, o Rio Grande do Sul. “Eu prefiro criar eles aqui. É uma cidade tranquila, mais calma e eu tenho confiança. Além disso, o acesso à creche, por exemplo, é muito facilitado”, explica.

Nome em alta em 2017

O Miguel jaraguaense da família Maciel Mileski tem um nome bastante querido entre as mamães nos últimos anos. Em 2017, dos mais de 1,4 milhões de registros realizados até o dia 10 de dezembro em todo o país, 25.710 são “xarás”. Foi o segundo ano consecutivo em que o nome Miguel liderou o ranking de mais utilizados no país, seguido por Arthur e Alice. Os três nomes são os queridinhos das mamães nos últimos dois anos.

Saudável e já com três dentinhos, o pequeno Miguel é a alegria dos pais e das irmãs. Mas, assim como nascem muitos jaraguaenses, o número de óbitos fetais também aumentou na última década. De acordo com os dados do IBGE, o salto foi de 100%. Em 2006, foram registrados nove casos, já em 2016 foram 18 óbitos fetais na cidade.