Por: Rafael Verch | 4 anos atrás

Foram detidas na tarde de ontem três pessoas ligadas à Criciúma Construções. Em operação, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu nove mandatos de busca e apreensão em Criciúma e Içara, que culminaram com a prisão temporária do sócio proprietário e do diretor financeiro da empresa, além de um empresário do ramo de supermercados que teria ligação com os crimes imobiliários.

Em Jaraguá do Sul, cinco empreendimentos da construtora são alvo de denúncias: os edifícios Jaraguá Tower e Paoletto, no Centro, Residencial Vivendas de Jaraguá, o Vasel Residencial, no Bairro Vila Nova, e o Residencial Jardim de Monet, no João Pessoa. O primeiro deles tinha entrega programa para 2012, mas teve apenas a edificação completa. Há sete ações civis públicas abertas contra a empresa na cidade.

Segundo informações do Gaeco, a ação foi resultado de um ano de investigação. Em dezembro, a divisão cumpriu cinco mandados recolhendo equipamentos eletrônicos nas sedes da empresa. Há indícios de venda de apartamentos sem a prévia incorporação imobiliária, estelionato, parcelamento irregular do solo urbano, falsidade ideológica, fraude processual, ocultação de bens provenientes, infração penal e crimes relacionados à falência da empresa.

Os suspeitos devem ficar detidos por cinco dias para prestar esclarecimentos, um dos objetivos é identificar outras pessoas que poderiam estar envolvidas no esquema. No final do ano passado, o Ministério Público de Santa Catarina apurou que existiriam mais de oito mil consumidores prejudicados pela construtora, espalhados por 13 municípios catarinenses e dois do Rio Grande do Sul.