Por: Misael Freitas | 16/04/2018

Quem vê o empresário Alberto Correia conversando alegremente não desconfia que ele enfrentou inúmeras adversidades antes de conquistar o sucesso no ramo da indústria química.

Natural de Blumenau, Alberto chegou a morar na rua e passar fome no momento mais duro da sua vida. As dificuldades, porém, foram vencidas com força de vontade e com a certeza de que é preciso se renovar constantemente.

Hoje, aos 77 anos, o presidente da Indústria Química Dipil Ltda. ri enquanto relembra as histórias do passado e revisita sua trajetória de sucesso.

O bom-humor de Alberto sem dúvidas contribuiu para que tudo ficasse mais leve e foi com esta leveza que ele conversou com o OCP em entrevista exclusiva. Confira!

O empresário exibe orgulhoso a carteira de filiado à imprensa | Foto Eduardo Montecino

O empresário exibe orgulhoso a carteira de filiado à imprensa | Foto Eduardo Montecino

OCP: Antes de começar o seu próprio negócio, você se aventurou em muitas profissões. Que experiências estes trabalhos lhe proporcionaram?

Alberto Correia: Sempre trabalhei desde pequeno e já fiz de tudo um pouco. Trabalhei em padarias, casas de frutas, fui vendedor e representante comercial, mas a ocupação que mais me deixa saudades foi o trabalho na televisão. Era operador de telecine de grandes canais de TV da época e cheguei a ser eleito o melhor operador de Santa Catarina. Além disso, me aventurei no universo circense, fazendo shows de equilibrismo e até joguei futebol profissionalmente.

OCP: Quando você percebeu que tinha sangue de empreendedor correndo nas suas veias?

A.C.: Tenho para mim que sempre fui um empreendedor. Sempre trabalhei em dois empregos e nunca desperdicei as oportunidades. Por onde passava, tinha a capacidade de motivar pessoas, desenvolver equipes e fazer o meu setor, até mesmo a empresa como um todo, crescer. Até que chegou em um ponto onde decidi que aplicaria estas qualidades em algo que fosse meu, e funcionou.

OCP: Qual foi a maior dificuldade que você enfrentou durante a sua trajetória de vida?

A.C.: Certamente foi o período em que morei na rua. Durante uma viagem para Guarapuava, no Paraná, perdi minha mala com dinheiro e documentos. Não tinha o contato de ninguém e me vi obrigado a dormir na rua. Chegou ao ponto de chamarem a polícia para me prender só porque pedi água em um lugar. Passei fome e frio. Contei com a caridade de estranhos para conseguir uma carona para Curitiba, onde morava minha irmã. Tive que andar 15 quilômetros a pé para chegar na casa dela.

Durante uma viagem, Alberto perdeu a mala com dinheiro e documentos | Foto Eduardo Montecino

Durante uma viagem, Alberto perdeu a mala com dinheiro e documentos | Foto Eduardo Montecino

OCP: Em que momento da sua vida surgiu o interesse pela indústria química?

A.C.: Trabalhei como representante comercial de empresas químicas durante muito tempo até que decidi me aventurar neste universo. Comecei envazando anilina, composto muito utilizado na época como corante pela indústria em geral. No começo do negócio enfrentei muita burocracia e também a má vontade de alguns fiscais que tentaram algumas vezes me desanimar. Fundei a Dipil em 1979 e, no ano de 1984 me estabeleci em Massaranduba.

OCP: Você começou de baixo e hoje é dono de uma das maiores empresas químicas do Brasil. Como a sua vivência humilde impacta a visão que você tem do seu negócio?

A.C.: Começar de baixo me deu a visão de que ninguém faz nada sozinho. Uma empresa não funciona apenas pela vontade do dono. Todos precisam se sentir parte e colaborar. Eu mesmo gosto de falar que meus funcionários formam a “Família Dipil”. Quero todos muito bem. Tenho colaboradores que trabalham comigo há décadas.

OCP: Você sempre foi muito criativo, principalmente nos momentos de dificuldade. Tem algum exemplo de inovação que gostaria de compartilhar?

A.C.: Eu não tenho educação formal, sou formado pela vida. Acredito que, em geral, as ideias mais simples são as mais inovadoras. O produto campeão de vendas da Dipil, por exemplo, nasceu deste conceito. Criamos um formicida granulado verde que era diferente dos nossos concorrentes, que sempre usaram um granulado marrom. A ideia deu tão certo que o produto é nosso carro-chefe até hoje.

Alberto Correia mostra o registro de uma negociação com empresários internacionais | Foto Eduardo Montecino

Alberto Correia mostra o registro de uma negociação com empresários internacionais | Foto Eduardo Montecino

OCP: Para você, qual seria a característica principal da sua personalidade que lhe ajudou a chegar onde você está hoje?

A.C.: Eu diria que é a minha persistência. A persistência atrai a sorte e quem persiste sempre alcança. Esta qualidade não pode faltar em quem tem a vontade de vencer na vida.

OCP: O jornalista Albérico Agripa escreveu o livro “Uma História de Sucesso” contando a sua trajetória, como surgiu esta ideia?

A.C.: Conheci o Albérico por meio de uma outra escritora que incentivei muito a publicar um livro. Conversamos algumas vezes e ele me fez a proposta de escrever o livro. No começo, desconfiei, mas depois percebi a importância de contar estes meus relatos. Para mim, o mais interessante é que o livro não é uma biografia, pois ele escreveu como um romance, então a leitura é muito dinâmica.

OCP: E qual exatamente é a mensagem do livro e que público você quer que tenha acesso a sua história?

A.C.: O livro é para todo mundo que tem vontade de ler uma boa história, mas principalmente, para os mais jovens. Quero que eles leiam que é possível sim crescer e vencer na vida. Porém, quero que entendam que o sucesso não vem fácil e que nem tudo são flores. É preciso batalhar e perseverar!

"As ideias mais simples são as mais inovadoras", acredita o empresário | Foto Eduardo Montecino

“As ideias mais simples são as mais inovadoras”, acredita o empresário | Foto Eduardo Montecino

OCP: Falando em juventude, como é a sua relação com as novas tecnologias e com a internet no auge dos seus 77 anos?

A.C.: Eu sou uma pessoa muito ativa, vou para a academia e estou sempre fazendo alguma coisa, mas não sou muito ligado em tecnologia não. No meu escritório tem um computador que uso pouco. Prefiro resolver as coisas frente a frente. Sou fã do WhatsApp, que é uma forma rápida de se comunicar, mas fora isso não sou nenhum expert no assunto.

Uma trajetória que ganhou as páginas de um livro

Os altos e baixos da vida do empresário Alberto Correia estão registrados no livro “Uma História de Sucesso” do jornalista Albérico Agripa. De forma irreverente e dinâmica, o autor narra os acontecimentos que culminaram com a fundação da Dipil e a consolidação de Alberto Correia como um dos maiores empresários do Brasil.

Alberto Correia posa ao lado do escritor Nelson Luiz Pereira | Foto Eduardo Montecino

Alberto Correia posa ao lado do escritor Nelson Luiz Pereira | Foto Eduardo Montecino

Qualidade e valorização dos colaboradores como marca registrada

A Indústria Química Dipil é uma empresa 100% brasileira e com foco no mercado nacional, líder no segmento de produtos saneantes domissanitários.

Fundada em 1979, a empresa se estabeleceu em Massaranduba na década de 1980. O negócio tem como missão desenvolver produtos de alta qualidade e com ótima relação custo-benefício. A valorização dos colaboradores também é um diferencial da empresa.