Valendo-se de um breve resgate histórico, faz-se necessário registrar que o jornal O Correio do Povo nasceu num momento contextual em que imperava a chamada República Velha (1889 – 1930). Como todos os jornais que circulavam naquela época, também O Correio do Povo vivenciou as consequências do insano Decreto 85, de 23 de dezembro de 1889, cujo teor determinava que “os indivíduos que conspirarem contra a República e o seu governo: que aconselharem ou promoverem por palavras, escritos ou atos, a revolta civil ou a indisciplina militar…serão julgados por uma comissão militar…e punidos com as penas militares de sedição.” Decreto esse que fundamentava, em sua essência, a notória repressão à liberdade de expressão social e, em particular, à liberdade de imprensa, essa por sua vez, cerceada completamente por ocasião do golpe de estado de 1937.

Os anos se passaram, assim como os insanos, embora, espectros remanescentes continuem vagando nas noites. Já não causam espanto e, tampouco, comprometem o processo de evolução de nosso estado democrático de direito. Entretanto, tal evolução não tem, necessariamente, assegurado a liberdade de imprensa em sua plenitude, não obstante, avanços nessa direção têm efetivamente se registrado. Podemos considerar como prova dessa asserção, a recente revogação, votada por maioria dos ministros do STF, da total e retrograda Lei de Imprensa.

Nesses mais de 90 anos de existência, O Correio do Povo resistiu e superou caminhos tortuosos e inevitáveis da evolução da sociedade, ajudando a registrar a história do mundo, do Brasil, do nosso Estado e, notadamente, de nossa Jaraguá e região. Vencidos os obstáculos e com determinação para prosseguirmos no processo de evolução, cabe-nos a honra de prestar uma homenagem especial a Venâncio da Silva Porto, Arthur Muller, Honorato Tomelin, Eugênio Victor Schmöckel, Yvonne Alice Schmöckel, Walter Janssen Neto, a nossos assinantes, leitores e parceiros anunciantes, bem como, a nossos perseverantes colaboradores, e reafirmar nossa missão de “contribuir para o desenvolvimento social, cultural, econômico e político de nossa região”.