Apoiado na chapa majoritária pelo DEM, PSDB e PRB, o professor Luiz Antonio Chiodini (PP) promete um novo modelo de gestão pública, “sem projetos mirabolantes”, onde o vice-prefeito e uma boa parte dos servidores efetivos terão papel fundamental. “O Osvaldo (Devigili, ex-vereador e empresário) tem uma enorme afinidade com o meio rural, é muito bem relacionado com os agricultores e é nesta área, principalmente, que ele vai trabalhar”, aponta Chiodini. O candidato não adianta se o vice assumirá uma secretaria, mas, ao que tudo indica e pela necessidade de se dar uma boa estrutura viária para melhor escoamento da produção ao interior do município, Devigili poderá assumir o setor de Infraestrutura. “Será um vice-prefeito ativo, merecedor do salário e não apenas uma figura decorativa, sem função”, disse.

“Vamos reduzir o atual cabide de empregos. O servidor efetivo, que conhece do seu trabalho, pode tocar a Prefeitura e, por isso, será valorizado”, promete o candidato. Chiodini planeja economizar, em curto prazo, R$ 1,5 milhão do orçamento do município indicando servidores efetivos em cargos comissionados ao invés de fazer nomeações, por indicações puramente político partidárias de partidos aliados. Aliás, a Secretaria de Infraestrutura é apontada pelo candidato como um dos setores onde há excesso de funções comissionadas. “Ao todo, são 22 servidores que representam R$ 1,3 milhão ao ano em salários e encargos. Ou R$ 5,4 milhões em quatro anos caso não ocorram reajustes no período” exemplificou.

Para justificar a nomeação preferencial de servidores efetivos em cargos comissionados, o candidato questiona: “Quem sabe mais sobre o que precisa ser feito para melhorar e humanizar o atendimento em postos de saúde, para a população e para o próprio servidor, do que quem trabalha lá?”.

Para ele, há uma visão distorcida sobre o papel que cabe ao município justamente pela ausência de conhecimento por parte da população. “A Prefeitura não existe para fazer favores, atender bem é uma obrigação, mas é preciso capacitar e incentivar o servidor, que há muito tempo, no caso de Guaramirim, não é ouvido, nem valorizado”, avalia Chiodini.

Outra ferramenta para implantar um novo modelo de gestão com fiscalização direta da sociedade civil organizada é o Observatório Social, lançado recentemente pela Associação Empresarial de Guaramirim. O canal, segundo o candidato, permite a população acompanhar as iniciativas do município voltadas ao interesse coletivo. Como o faz a Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), que acompanha na Assembleia Legislativa a tramitação de todos os projetos de iniciativa do governo do Estado e da instituição relacionados a obras e serviços, desde o processo licitatório até a sua conclusão. “Esta interação é fundamental para que não haja desnecessariamente conflito de interesses. É uma maneira de se errar menos visto a legislação vigente, onde nem tudo é possível”, concluiu Chiodini.

PERFIL DO CANDIDATO
Nome: Luiz Antonio Chiodini (PP)
Idade: 46 anos (21/06/1970)
Naturalidade: Guaramirim (SC)
Formação: superior completo
Ocupação: professor de ensino superior
Valor de bens declarados: R$ 36.000,00
Coligação majoritária: PP/ DEM /PSDB /PRB